Biden y la futura política de Estados Unidos hacia Cuba, Por Jorge Hernández Fonseca

Vivimos en EUA aquellos millones de cubano-americanos tomados como ejemplo por el ...

A los pies del Cristo Redentor, Brasil comenzó la campaña de vacunación contra el coronavirus

El gobierno de Brasil adelantó para este lunes el lanzamiento de su ...

El régimen de Maduro emitió una orden de captura contra dos directivos de Citgo designados por Guaid

El régimen de Nicolás Maduro emitió una orden de captura contra dos ...

Cuáles son los principales objetivos de Joe Biden para los primeros 100 días de su presidencia

A dos días de que Joe Biden tome posesión como presidente de ...

Butantan pede à China agilidade na liberação de insumos para novas doses da CoronaVac

O Instituto Butantan pediu ao governo chinês agilidade na liberação de insumos ...

A esquerda, a grande perdedora: DEM, PP e PSD aumentam número de vereadores no Brasil; MDB, PT, PSDB, PDT e PSB registram redução PDF Imprimir E-mail
Escrito por Indicado en la materia   
Martes, 17 de Noviembre de 2020 16:10

O resultado da eleição para as Câmaras municipais de todo o Brasil mostra uma mudança na composição de forças entre os partidos. Entre as 30 legendas consideradas no comparativo com a última disputa, 21 apresentaram queda no número de vereadores eleitos. O PT de Lula da Silva foi um dos grandes perdedores.

PT dizimado nas urnas nas eleições municipais de 2016

As reduções, no entanto, não foram uniformes. Enquanto partidos grandes como MDB, PT, PSDB, PSB e PDT registraram queda, outras legendas tiveram desempenho positivo, caso de DEM, PP, PSD, PL e Republicanos. Um terceiro grupo composto por partidos menores registra uma queda acentuada no número de representantes eleitos nas Câmaras.

 

Apesar de apresentar redução de 3% no número de vereadores, o MDB manteve a liderança no país, com mais de 7,3 mil representantes eleitos. Houve mudanças, contudo, nas posições seguintes. O PSDB, que terminou a eleição de 2016 em segundo lugar com a maior bancada de vereadores, desta vez ocupa a quarta colocação, com queda de 18%.

A segunda colocação dos partidos com mais vereadores agora é do PP, com 6,3 mil eleitos. A legenda registrou aumento de 34% no comparativo com 2016, quando estava na terceira posição. Já a terceira colocação agora é do PSD, com 5,6 mil vereadores. Em 2016, o partido ocupava a quarta posição em número de vereadores.

Vereadores eleitos por partido em 2020 — Foto: G1

Vereadores eleitos por partido em 2020 — Foto: G1

No grupo dos grandes partidos, além do PSDB e do MDB, PT (-5%), PDT (-9%) e PSB (-17%) também apresentaram queda no total de vereadores. Já o DEM cresceu em 49% e ocupa agora a quinta posição com a maior bancada de vereadores. O PSL, partido pelo qual o presidente Jair Bolsonaro foi eleito, também apresentou crescimento. Passou de 878 vereadores em 2016 para 1,2 mil, aumento de 37%.

Quedas também nos partidos pequenos

Esta foi a primeira eleição municipal após o fim da coligação proporcional aprovada na Emenda Constitucional de 2017. A nova regra proibiu, a partir de 2020, a possibilidade de os partidos fazerem coligações com outras legendas nas disputas para os cargos de vereador, deputado federal e estadual.

Com o fim das coligações proporcionais, os votos recebidos por um candidato só podem ser somados para eleger vereadores do próprio partido. No modelo que vigorava até então, os votos dos eleitores para um candidato de um partido podiam ajudar a eleger outro de uma segunda legenda que fizesse parte da coligação.

Para fazer os comparativos, o G1 considerou em 2016 as incorporações feitas pelas legendas. Alguns apenas trocaram de nome, como o PPS, que passou a ser Cidadania. Outros, porém, são resultado da união com outras legendas, caso do Podemos, que reuniu o antigo PTN e o PHS.

A maior queda proporcional entre os 21 partidos analisados ocorreu entre partidos que já eram pequenos, caso de PMB (79%), DC (-71%), PMN (-62%) e PTC (-62%). Já o maior aumento proporcional no total de vereadores eleitos foi do Novo (625%), apesar de ter agora apenas 29 vereadores. O Avante, antigo PT do B, apresentou a segunda maior variação proporcional: 116%.

Efeitos do fim das coligações

Na avaliação do professor de ciência política e coordenador do Laboratório de Partidos e Sistemas Partidários na Universidade Federal do Paraná (UFPR) Bruno Bolognesi, os dados indicam algumas características, sobretudo a redução do tamanho das grandes legendas e o aumento das legendas médias.

Segundo o professor, o fim das coligações nas proporcionais tinha o objetivo de reduzir a fragmentação partidária no Brasil, mas, na avaliação de Bolognesi, é preciso ter cautela por conta dos outros efeitos que ela também estimulou, como o lançamento de mais candidaturas de prefeitos com o objetivo de puxar votos para cargos proporcionais. Outro incentivo do sistema, segundo ele, foi o fim do coeficiente para a definição das "sobras", ou seja, para o preenchimento das vagas que sobram após os cálculos dos votos obtidos pelos partidos.

"Tivemos muitas candidaturas no majoritário que puxaram a fragmentação por baixo. Todo mundo quis ter a sua própria lista. Desse forma, o sistema funcionou como antes, quando havia as coligações. Tivemos cidades em que houve aumento de partidos efetivos na Câmaras, como Goiânia e Belém. Então é um paradoxo. Tivemos mais partidos com menos candidatos, mas mais partidos competindo pelo voto. E isso ajudou a não reduzir a fragmentação na proporção que se esperava."

Com relação ao aumento dos partidos médios, o professor destaca que essa é uma tendência já observada nas eleições federais. Segundo Bolognesi, a Câmara dos Deputados vem aumentando a fragmentação nos últimos anos e isso tem ocorrido com o aumento dos partidos médios.

"Você tem dois modos de fragmentar. Ou você tem dois ou três partidos grandes e um monte de pequenos, ou você tem um monte de partidos médios. No Brasil, temos visto esse fenômeno justamente com esse segundo mecanismo, que é não apenas ter partido novo, é desidratar partido médio. Os partidos médios vêm ganhando força no Brasil. PSD, DEM, PSD e Republicanos vêm crescendo nos últimos anos. E os partidos grandes vêm desidratando desde 2014."

 

G1 GLOBO

Última actualización el Viernes, 20 de Noviembre de 2020 01:20
 

Add comment


Security code
Refresh

Eso de culpar al 'bloqueo' ya no encuent

Indicado en la materia

Por Juan Antonio Blanco.- Un pilar esencial para la credibilidad y sostenimiento del régimen totalitario cubano ha sido la promoción de falsas narrativas para consumo nacional e internacional. Pero hay crecientes evidencias de qu...

Invertir en Cuba

Indicado en la materia

Por MANUEL HERNÁNDEZ.-  El habanero Manuel Hernández es el ganador del primer premio del concurso Empresario Cubano, organizado por el Observatorio Cubano de Conflictos y Apretaste! El certamen consistía en aconsejar a un...

Las dictaduras castrochavistas buscan ca

Indicado en la materia

Por Carlos Sánchez Berzain.- El siglo XXI en las Américas esta marcado por la recreación del castrismo convertido en castrochavismo, para la de agresión a las democracias y la simulación política de...

La 'Tarea Ordenamiento' desincentiva la

Indicado en la materia

Por RAFAELA CRUZ.-  La agricultura es un sector capital de la nación cubana por lo que representa para el millón de personas que en ella labora y lo que implica para los 11 mi...

La tormenta perfecta: San Isidro más la

Indicado en la materia

Por Jorge Hernández Fonseca.-  No es posible un ordenamiento monetario sin oferta de bienes o servicios. La validez de cualquier moneda se decide en el mercado, no en un escritorio burocrático. A ...

El “Isidrazo” y la crisis de legitimidad

Indicado en la materia

Por Jorge Hernández Fonseca.-  En medio de semejante escenario degradante, un grupo de jóvenes artistas de un barrio marginal habanero, muchachos sin camisa y con gorra de peloteros, le plantan cara al...

San Isidro: Acabar con el ninguneo del g

Indicado en la materia

Por Jorge Hernández Fonseca.-  En la carta que el “Movimiento 27N” ha hecho llegar a los medios de comunicación, se aclara que la discusión no es sobre “cultura” es sobre “libertad po...