Biden y la futura política de Estados Unidos hacia Cuba, Por Jorge Hernández Fonseca

Vivimos en EUA aquellos millones de cubano-americanos tomados como ejemplo por el ...

A los pies del Cristo Redentor, Brasil comenzó la campaña de vacunación contra el coronavirus

El gobierno de Brasil adelantó para este lunes el lanzamiento de su ...

El régimen de Maduro emitió una orden de captura contra dos directivos de Citgo designados por Guaid

El régimen de Nicolás Maduro emitió una orden de captura contra dos ...

Cuáles son los principales objetivos de Joe Biden para los primeros 100 días de su presidencia

A dos días de que Joe Biden tome posesión como presidente de ...

Butantan pede à China agilidade na liberação de insumos para novas doses da CoronaVac

O Instituto Butantan pediu ao governo chinês agilidade na liberação de insumos ...

Após dizer que divulgaria em 'live', Bolsonaro não cita países que compram madeira ilegal do Brasil PDF Imprimir E-mail
Escrito por Indicado en la materia   
Viernes, 20 de Noviembre de 2020 01:14

Embora tenha dito que divulgaria na "live" desta quinta-feira (19) os países que, segundo ele, compram madeira ilegal do Brasil, o presidente Jair Bolsonaro não exibiu, durante a transmissão ao vivo, a lista com os nomes desses países.

Bolsonaro diz que divulgará lista de países que compram madeira ilegal –  Rádio Cidade Jundiaí

Na terça (17), ao participar da cúpula do Brics pela manhã, Bolsonaro afirmou que países criticam o Brasil por desmatamento, mas compram madeira ilegal do país. Afirmou, então, que divulgaria a lista desses países "nos próximos dias".

 

 

Na quarta (18), na entrada do Palácio da Alvorada, Bolsonaro afirmou que a lista seria apresentada nesta quinta, durante a transmissão ao vivo semanal que faz em uma rede social.

"Amanhã [quinta,19], na live, nós vamos mostrar os países que nos acusam de desmatar, mas importam madeira clandestinamente nossa, tá ok?", declarou o presidente nesta quarta-feira. "A gente vai fazer, a gente vai mostrar tudo amanhã", acrescentou.

Durante a transmissão ao vivo, contudo, a lista não foi exibida. Além disso, Bolsonaro afirmou que não acusará "nenhum país".

"A gente não vai acusar nenhum país aqui de cometer nenhum crime ou ser conivente de um crime, mas empresas que poderiam estar nos ajudando a combater esse ilícito", disse o presidente na transmissão.

O presidente estava acompanhado do ministro da Justiça e Segurança Pública, André Mendonça, e do superintendente da Polícia Federal no Amazonas, Alexandre Saraiva.

O presidente voltou a afirmar que países criticam a política ambiental do Brasil por questões econômicas.

"É um grande jogo econômico que existe entre alguns países do mundo, em especial para nos atingir porque nos somos realmente potencias no agronegócio, as commodities que vêm do campo, e eles querem exatamente diminuir a concorrência nossa", afirmou Bolsonaro.

França

Durante a live, o presidente disse que a França é um dos países que compram madeira do Brasil. Na transmissão, o presidente não deixa claro se o país compra madeira de forma legal ou não.

"Eu vi aqui que tem vários países com madeira importada anualmente, se pegar aqui tem até a França aqui também", declarou.

Para Bolsonaro, a França é um país concorrente na área de commodities. "Para a gente avançar no acordo com a União Europeia com o Mercosul, é exatamente na França, estamos fazendo o possível, mas a França em defesa própria nos atrapalha no tocante a isso aí", completou Bolsonaro.

Comércio de madeira

Levantamento do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) mostrou que, de agosto de 2017 a julho de 2018, 70% da exploração da madeira no Pará era ilegal. O engenheiro agrônomo Beto Veríssimo, co-fundador do Imazon, entrevistado na edição desta quinta do podcast O Assunto, disse que na última década cerca de 60% a 70% da madeira no mercado interno do país era de extração ilegal.

Veríssimo também afirmou que a maior parte de toda a madeira nativa extraída no país, 80%, vai para o mercado interno. O restante, 20%, é exportado principalmente para a Europa e para os Estados Unidos. O mercado externo, segundo Veríssimo, é bastante rigoroso com relação à legalidade da madeira. De acordo com especialista, é bem mais difícil que a madeira ilegal seja enviado para o exterior do que ser vendido dentro do Brasil.

"A exportação passa por uma triagem maior. Os países importadores fazem uma verificação mais rigorosa, não só do ponto de vista da legalidade, como também de medidas adicionais sobre quem tenha selo verde, auditorias independentes", afirmou.

"Você [o vendedor de madeira ilegal] tem que vencer as barreiras de saída do Brasil e chegar do outro lado. Como nosso mercado são os Estados Unidos e a União Europeia, essas barreiras são

muito maiores que um caminhão que sai da Amazônia e vai para o Nordeste ou para São Paulo", completou Veríssimo.

Desmatamento de grandes áreas

O professor do Instituto de Agriculturas Amazônicas da Universidade Federal do Pará (UFPA), Maurício Torres, também entrevistado do podcast O Assunto, explicou que os desmatamentos de grandes áreas na floresta Amazônica, registrados pelos órgãos de fiscalização, não têm a finalidade de extrair madeira para a venda.

A extração ilegal é seletiva e busca espécies específicas de árvores. Em grandes áreas, a operação para o desmatamento é cara e acaba extraindo árvores que não servem para o comércio.

A extração seletiva, segundo Torres, é tão prejudicial quanto o desmatamento generalizado, porque extingue espécies de árvores em uma região e deixa a cobertura vegetal desprotegida com arbustos e cipós.

"Esgota certas espécies de uma área. É o desmatamento invisível. Impacta severamente a floresta. Como mantém a cobertura de cipó e arbustos, não é detectado como desmatamento [pelos sistema de fiscalização aérea]", afirmou Torres.

 

G1 GLOBO

Última actualización el Jueves, 26 de Noviembre de 2020 00:58
 

Add comment


Security code
Refresh

Eso de culpar al 'bloqueo' ya no encuent

Indicado en la materia

Por Juan Antonio Blanco.- Un pilar esencial para la credibilidad y sostenimiento del régimen totalitario cubano ha sido la promoción de falsas narrativas para consumo nacional e internacional. Pero hay crecientes evidencias de qu...

Invertir en Cuba

Indicado en la materia

Por MANUEL HERNÁNDEZ.-  El habanero Manuel Hernández es el ganador del primer premio del concurso Empresario Cubano, organizado por el Observatorio Cubano de Conflictos y Apretaste! El certamen consistía en aconsejar a un...

Las dictaduras castrochavistas buscan ca

Indicado en la materia

Por Carlos Sánchez Berzain.- El siglo XXI en las Américas esta marcado por la recreación del castrismo convertido en castrochavismo, para la de agresión a las democracias y la simulación política de...

La 'Tarea Ordenamiento' desincentiva la

Indicado en la materia

Por RAFAELA CRUZ.-  La agricultura es un sector capital de la nación cubana por lo que representa para el millón de personas que en ella labora y lo que implica para los 11 mi...

La tormenta perfecta: San Isidro más la

Indicado en la materia

Por Jorge Hernández Fonseca.-  No es posible un ordenamiento monetario sin oferta de bienes o servicios. La validez de cualquier moneda se decide en el mercado, no en un escritorio burocrático. A ...

El “Isidrazo” y la crisis de legitimidad

Indicado en la materia

Por Jorge Hernández Fonseca.-  En medio de semejante escenario degradante, un grupo de jóvenes artistas de un barrio marginal habanero, muchachos sin camisa y con gorra de peloteros, le plantan cara al...

San Isidro: Acabar con el ninguneo del g

Indicado en la materia

Por Jorge Hernández Fonseca.-  En la carta que el “Movimiento 27N” ha hecho llegar a los medios de comunicación, se aclara que la discusión no es sobre “cultura” es sobre “libertad po...