La CIA crea un grupo de trabajo para descubrir qué provocó el 'Síndrome de La Habana' (Ataques Acúst

La Agencia Central de Inteligencia de Estados Unidos (CIA) creó un grupo ...

América Latina triplicó su inseguridad alimentaria severa en 2020: el hambre afectó a 10 millones de

América Latina triplicó su inseguridad alimentaria severa en 2020 respecto al año ...

La Unión Europea advirtió que la expulsión de su embajadora por el régimen de Maduro “no hará más qu

La Unión Europea pidió este miércoles al régimen de Maduro que revierta ...

Estados Unidos advirtió que su paciencia con Irán “no es ilimitada” tras ofrecer una reunión para tr

Estados Unidos advirtió este miércoles que su paciencia con el régimen de ...

Bolsonaro entrega ao Congresso projeto que abre caminho para a privatização dos Correios

O presidente Jair Bolsonaro entregou nesta quarta-feira (24) ao Congresso Nacional o ...

Butantan pede à China agilidade na liberação de insumos para novas doses da CoronaVac PDF Imprimir E-mail
Escrito por Indicado en la materia   
Martes, 19 de Enero de 2021 01:53

O Instituto Butantan pediu ao governo chinês agilidade na liberação de insumos para a produção de mais doses da CoronaVac. A informação foi passada pelo governador João Doria (PSDB) durante coletiva na tarde desta segunda-feira (18) no HC da Unicamp, em Campinas (SP), que marcou o início da vacinação no interior do estado.

O governador de São Paulo, João Doria, ao lado da enfermeira Liane, do HC da Unicamp, primeira profissional de saúde a receber a vacina contra a Covid-19 no Interior de São Paulo — Foto: Osvaldo Furiatto

Segundo o Doria, uma resposta da China é esperada até quarta-feira (20) pela manhã. O governo fez a compra de 46 milhões de doses da vacina produzida em parceria com o laboratório chinês Sinovac.

 

 

"Em relação à China, o Insituto Butantan já fez uma solicitação, renovou hoje a solicitação para a agilidade na destinação dos outros insumos. Nós compramos 46 milhões de doses da vacina. Quero aproveitar para esclarecer que quem fez a compra foi o governo do estado de SP e o Instituto Butantan. Agora nós estamos disponibilizando e, obviamente, vendendo a vacina para o Ministério da Saúde. Mas a responsabilidade é do governo de São Paulo. Vamos aguardar até quarta-feira pela manhã, dada a diferença de fuso horário coma China, para ter esta confirmação", disse.

Nesta segunda, o diretor-presidente do Butantan, Dimas Covas, disse que enviou um novo pedido de uso emergencial da CoronaVac à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), desta vez solicitando autorização para uso de todas as doses envasadas pelo instituto. Atualmente, o Butantan tem 4,8 milhões de doses prontas aguardando liberação.

"Nós estamos seguros de que a Anvisa vai liberar a aprovação dos novos lote da vacina. O pedido foi encaminhado hoje de manhã pelo Instituto Butantan para 4,8 milhões novas doses da vacina. Eu tenho segurança dada a reunião realizada ontem, a forma transparente com que a Anvisa adotou para o procedimento de análise e de voto, haverá o voto positivo também para a homologação dessas outras 4,8 milhões de doses, que já estão em solo brasileiro", afirmou o governador.

Ainda de acordo com Doria, esse montante se refere aos insumos que já estão no Butantan, que teria a capacidade de produzir até 1 milhão de doses por dia caso a Anvisa autorize.

"O Butantan trabalha no envase dessas vacinas e poderá fazer isso rapidamente. Assim que o Anvisa autorizar, o Butantan é capaz de fazer 1 milhão por dia. Então, é rápido sim. Desde que Anvisa autorize, 1 milhão por dia, no dia seguinte já teremos, e assim sucessivamente até completar 4,8 milhões doses", completou.

G1 solicitou informações ao Butantan sobre como foi realizado o pedido de agilidade ao governo chinês e o texto será atualizado assim que o instituto enviar a resposta.

Começa a vacinação contra Covid-19 em Campinas, no interior de São Paulo
--:--/--:--

Começa a vacinação contra Covid-19 em Campinas, no interior de São Paulo

Vacinação no interior de SP

O Hospital de Clínicas (HC) da Unicamp aplicou a primeira dose da CoronaVac na tarde desta segunda-feira (18), em cerimônia que deu início à vacinação em Campinas (SP), primeira cidade do interior do estado a dar início a imunização contra a Covid-19.

Durante a cerimônia, o governador João Doria enfatizou o fato da aplicação no HC ser a primeira fora da capital.

"Este é o primeiro momento de vacinação fora da cidade de São Paulo. É aqui na cidade de Campinas. É aqui, prefeito Dário Saadi, a sua cidade, a cidade dos campineiros, a cidade dos brasileiros", afirmou.

Neste primeiro momento, a vacinação será para os profissionais de saúde que estão na linha de frente do combate à doença na unidade. Ao todo, 60 mil trabalhadores dos seis hospitais de referência serão imunizados. Além do HC da Unicamp, as outras unidades são: HC de São Paulo; HC de Ribeirão Preto (USP), HC de Botucatu (Unesp), HC de Marília (Famema) e Hospital de Base de São José do Rio Preto (Funfarme).

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, afirmou na manhã desta segunda-feira que a vacinação contra a Covid-19 será iniciada a partir das 17h em todo o país. No domingo, logo após a aprovação da Anvisa para a aplicação CoronaVac e da vacina de Oxford, produzida em parceria com o laboratório AstraZeneca, o governo de São Paulo já aplicou a primeira dose da CoronaVac. O governo federal, no entanto, ainda não havia iniciado a distribuição do imunizante pelo país.

 

G1 GLOBO

Última actualización el Sábado, 23 de Enero de 2021 02:10
 

Add comment


Security code
Refresh

Carta Abierta a Joe Biden

Indicado en la materia

Un grupo de opositores exiliados cubano-americanos residente en el sur de la Florida han dirigido una "Carta Abierta" al actual Presidente de EUA Joe Biden, firmada en Enero 27 del 20...

Prohibir por prohibir

Indicado en la materia

Por YOANI SÁNCHEZ.- La casa es chata y fea, con una estructura improvisada por la prisa. Para construirla, sus habitantes no pudieron contratar a un arquitecto privado y en el futuro ta...

Los comunistas no tienen competencia par

Indicado en la materia

Por Jorge Hernández Fonseca.-  Hay un debate estéril (por inútil) en Cuba, queriendo incorporar herramientas del capitalismo para paliar la hambruna que se avecina, después de un largo período de 62 añ...

El entierro del cadáver de la hasta hoy

Indicado en la materia

Por Jorge Hernández Fonseca.-  El pasado sábado 6 de Febrero, el diario oficial castrista publicó la tan anhelada y esperada “ida al capitalismo” en la economía cubana, imitando lo hecho antes ...

Cuba castrista: La cultura de la violenc

Indicado en la materia

Por Jorge Hernández Fonseca.-  Instaurada la violencia revolucionaria como cualidad indispensable a los cubanos, cualquier golpiza que un cubano propinara a un exiliado político en el exterior --por cualquier razón-- era in...

Biden y la futura política de Estados Un

Indicado en la materia

Por Jorge Hernández Fonseca.-  Vivimos en EUA aquellos millones de cubano-americanos tomados como ejemplo por el presidente Obama en su discurso en la Habana, orgullosos de nuestra labor en este gran ...

La tormenta perfecta: San Isidro más la

Indicado en la materia

Por Jorge Hernández Fonseca.-  No es posible un ordenamiento monetario sin oferta de bienes o servicios. La validez de cualquier moneda se decide en el mercado, no en un escritorio burocrático. A ...