A la desesperada: inversión extranjera en el comercio bajo el control del Estado cubano, Por ELÍAS A

No dejaron a nadie tranquilo con la comparecencia en la Mesa Redonda de Betsy ...

Volodimir Zelensky le pidió a América Latina que “no comercie con Rusia" para que entienda que por s

A cinco meses del inicio del conflicto entre Rusia y Ucrania, el ...

La insólita declaración de una teniente de Inteligencia sobre el caso de los drones en Venezuela

Yolmer José Escalona Torrealba es un joven condenado a 30 años de ...

Israel anunció que reanudará las relaciones diplomáticas con Turquía

Israel reanudará las relaciones diplomáticas con Turquía, anunció este miércoles la oficina ...

Delegação da Colômbia viaja para Cuba para iniciar reaproximação com grupo terrorista ELN

Uma delegação do governo da Colômbia, chefiada pelo chanceler Álvaro Leyva, viajou a Havana ...

Vigilância e atos de repúdio amordaçam o 15/11 em Cuba PDF Imprimir E-mail
Escrito por Indicado en la materia   
Martes, 16 de Noviembre de 2021 22:17

Por Yoani Sánchez.- 

As ruas quase vazias e a tensão no ar. Foi o que viveu Havana nesta segunda-feira (15//11), dia em que grupos independentes haviam convocado uma Marcha Cívica pela liberdade dos presos políticos e por uma mudança democrática na ilha. Nas mesmas avenidas e lojas que dois dias antes estavam repletas de gente, neste 15 de novembro havia apenas policiais uniformizados ou à paisana.

Homens penduram bandeiras cubanas sobre as janelas da casa do ativista da oposição Yunior García Aguilera, numa tentativa de impedi-lo de se comunicar com o mundo exterior, enquanto ele segura uma flor com o braço estendido para fora da janela.

Um dia antes, o dramaturgo Yunior García Aguilera – um dos principais organizadores do protesto pacífico – ficou trancado em sua casa, com turbas oficiais gritando à sua porta. Apesar de o impedirem de deixar a residência, os repressores não puderam evitar que o ativista entregasse para a história de Cuba a imagem de um poderoso espírito cívico: um homem preso em sua própria casa, estendendo a mão para fora da janela com uma rosa branca.

 

 

excessivo contingente policial e repressivo lançado pelo regime cubano não afetou apenas aqueles que nesta segunda-feira foram vítimas de atos de repúdio, sofreram corte do serviço de acesso à internet ou foram presos enquanto tentavam sair às ruas. O principal custo recaiu sobre as próprias autoridades, que mostraram sua face mais feia diante de uma população cansada dos controles excessivos, que aumentaram significativamente após os protestos do último dia 11 de julho.

Nas ruas, cresce o descontentamento e a indignação com a desproporção de forças entre os cidadãos desarmados e forças oficiais dispostas a "enfrentar qualquer ação", como advertira o governante Miguel Díaz-Canel na sexta-feira passada. A raiva cresce, e, embora o medo ainda se agarre a muitas gargantas, o castrismo perde cada dia mais adeptos entre os familiares, vizinhos e amigos dos reprimidos.

Manter por muito tempo esse estado de terror é quase impossível para a Plaza de la Revolución. Por mais que os líderes do Partido Comunista queiram prolongar por meses a vigilância em cada esquina, os piquetes da polícia política à espreita em frente às casas dos dissidentes e as vociferantes manifestações de ódio em torno das residências dos ativistas, para tudo isso faltam recursos. Esse sistema se acostumou a comprar lealdades mesmo que com migalhas, e nem migalhas restam mais.

O país está quebrado, e o povo está farto. Nem a crise econômica nem a agitação popular podem ser revertidas a curto ou médio prazo. Embora neste 15 de novembro tenha-se conseguido sufocar a Marcha Cívica utilizando os antigos métodos de intimidação, nos escritórios climatizados do poder em Cuba já se sabe que dessa forma não será possível governar por muito tempo. Eles sabem que perderam o caminho para chegar ao coração do povo; eles sabem que o medo mudou de lado nesta ilha, e agora são eles os que temem.

--

Yoani Sánchez é uma jornalista cubana. O texto reflete a opinião pessoal da autora, não necessariamente da DW.

Última actualización el Martes, 30 de Noviembre de 2021 22:15
 

Add comment


Security code
Refresh

La "incomprensión" del pueblo cubano

Indicado en la materia

Por REINALDO ESCOBAR.- Todavía Fidel Castro no había asaltado el cuartel Moncada en Santiago de Cuba cuando en la Alemania comunista, el 17 de junio de 1953, el pueblo se lanzó a ...

Fatalismo nacional cubano

Indicado en la materia

Por RAFAELA CRUZ.- Cuando la miseria es homogénea y crónica, es posible llegar a asumir, interiorizar, aceptar la vileza como natural. La corrosión ambiental termina por carcomer el espíritu, ese que Sa...

El ocaso del castrismo: La Cuba de hoy e

Indicado en la materia

Por Jorge Hernández Fonseca.-  Cuba desarrolló históricamente una fuerte industria y agricultura azucarera, que le valió ser la principal fuente exportadora del dulce en una buena parte del Siglo XX, hasta ...

En Cuba no hay caña de azúcar ni para ha

Indicado en la materia

Por JUAN DIEGO RODRÍGUEZ.- La debacle del sector azucarero, que registró zafras catastróficas estos dos últimos años, está afectando a toda una tradición cultural en Cuba: las guaraperas. En lugar de guarapo, este vi...

Cuba: Dos importantes sectores destruido

Indicado en la materia

Por Jorge Hernández Fonseca.-  El dinero de la compra de nuevas centrales eléctricas se desperdició en docenas de pequeñas planas movidas a diésel, hoy inservibles, junto con el dinero para la re...

La guerra de Putin contra Ucrania y el p

Indicado en la materia

Por Jorge Hernández Fonseca.-  Se dice que Rusia extenderá esta guerra hasta derrotar a Ucrania. Nada de esto será así. Después de la disposición norteamericana de entrar con 33 mil millones de...

Putin: ¿Nacionalista o Imperialista?

Indicado en la materia

Por Jorge Hernández Fonseca.-  Si la península de la Crimea era rusa y no ucraniana ¿por qué la propia Rusia la hizo formar parte de Ucrania cuando todas las repúblicas se se...