Una escuadra de buques de guerra rusos pasará el lunes por la Habana camino a Venezuela

Una agrupación de buques de la Marina de Guerra de Rusia llega ...

Migración de México detiene a la cónsul de Nicaragua que trasladaba a tres cubanos irregulares

El Instituto Nacional de Migración de México (INM) informó este domingo en UN comunicado ...

Venezuela: Maduro suspende desfile militar en medio de ola de detenciones de oficiales

Se trata de la fecha más emblemática en la historia venezolana y ...

Sanciones y supuestos ciberataques tensan aún más la relación entre Irán y EE UU

EE UU ha decidido responder con la amenaza de nuevas sanciones y ...

Turma do STF adia julgamento sobre pedido de liberdade de Lula; defesa quer prioridade na análise

A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) adiou nesta segunda-feira (24) ...

Após 55 anos de fracasos, Cuba "socialista" se abre ao capitalismo estrangeiro PDF Imprimir E-mail
Escrito por Indicado en la materia   
Jueves, 27 de Marzo de 2014 09:03

Cuba aprovará no sábado próximo uma nova Lei para o Investimento Estrangeiro que contempla autorizar a participação de capital forasteiro "em todos os setores", com exceção dos “serviços de saúde e educação e de todas as instituições armadas”. Nesta quarta-feira, a imprensa oficial cubana adiantou alguns detalhes do projeto, que promete a isenção de impostos e “plena proteção e segurança jurídica” e estabelece que as empresas estrangeiras “não poderão ser expropriadas, salvo por motivos de utilidade pública ou interesse social” e que, quando isso ocorra, os proprietários receberão “a devida indenização”. Trata-se de um passo a mais na lenta transformação do modelo econômico socialista que Raúl Castro começou a desenvolver há cinco anos, com a ideia de refutar as minguadas contas da ilha e fazer mais eficiente o funcionamento de o Estado.

Com esta lei, Havana busca atrair capital estrangeiro para garantir o acesso de Cuba a novas tecnologias, novos mercados de exportação e novas fontes de financiamento que lhe permitam, no médio prazo, desenvolver de novas fontes de emprego e substituir importações, especialmente no setor dos alimentos; todos estes objetivos fazem parte dos Lineamentos da Política Econômica e Social do Partido e da Revolução aprovados em abril de 2011. A norma, que será debatida no sábado em uma sessão extraordinária da Assembleia Nacional, substituirá à velha Lei 77 vigente desde 1995 e sua aprovação foi uma tarefa pendente desde o fim de 2012.

Através do diário oficialista Juventude Rebelde, o Governo cubano explicou que o investimento estrangeiro será autorizado em forma de empresas mistas, contratos de associação econômico internacional ou de empresas de capital totalmente forasteiro. Os contratos de associação econômica internacional, por exemplo, aplicarão para a exploração de recursos naturais não renováveis, para a administração hoteleira, produção ou serviços, a prestação de serviços profissionais, a produção agrícola e a construção. O Governo de Havana estabelecerá que os investimentos estrangeiros “não poderão ser expropriados, salvo motivos de utilidade pública ou interesse social previamente declarados pelo Conselho de Ministros” e que, caso seja necessário, o faria “em concordância com a Constituição e os tratados internacionais subscritos sobre o tema pelo país, e com a devida indenização, estabelecida por mútuo acordo, pagável em moeda livremente convertível, e com um juiz que satisfaça a ambas partes”.

A lei também inclui um regime especial de tributação, que exclui os investidores estrangeiros que forem sócios de empresas mistas, ou tomem parte de contratos de associação econômica internacional, de pagar impostos por rendimentos pessoais. As empresas mistas e partes nos contratos de associação econômica também serão eximidas do pagamento de imposto sobre utilidades por um período de oito anos a partir de sua constituição, que poderia ser estendido por decisão do Conselho de Ministros. No entanto, quando se trata da exploração de recursos naturais, renováveis ou não, o Conselho de Ministros terá o poder de aumentar o tipo impositivo sobre utilidades “até 50 por cento”.

O regime trabalhista ao que estarão submetidas estas empresas continuará sendo o atual, salvo adequações futuras da norma. Os trabalhadores destas empresas deverão ser cubanos ou estrangeiros com residência permanente na ilha e deverão ser contratados por uma entidade empregadora proposta pelo Ministério do Comércio Exterior e do Investimento Estrangeiro (Mincex) e autorizada pelo Ministério do Trabalho e da Segurança Social. O pagamento da folha de pagamento deverá ser realizado em moeda nacional e por acordo mútuo entre a empresa mista e a entidade empregadora , ambas controladas pelo Estado. Só ficarão excluídos deste regime os membros dos órgãos de direção e administração das empresas mistas.

Fonte: EL PAIS; ESPANHA

Última actualización el Viernes, 28 de Marzo de 2014 01:09
 

Add comment


Security code
Refresh

¿Qué tiene que decir la prensa oficial c

Indicado en la materia

Por YOANDRYS GUTIÉRREZ.-  Por estos días, varios medios de prensa publican la noticia de la muerte, en abril pasado, de más de una decena de cubanos, atrapados por la súbita crecida de ...

Precisiones a Rodrigo Malmierca

Indicado en la materia

Por Dimas Castellanos.-  El ministro de Comercio Exterior e Inversión Extranjera de Cuba (MINCEX), Rodrigo Malmierca, declaró recientemente en un tuit que "La Ley 118 de Inversión Extranjera no establece ninguna limitación respecto al...

Lo que tendrá de diferente el nuevo 'Per

Indicado en la materia

Por GUILLERMO FARIÑAS.-  La Junta Militar que detenta el poder ejecutivo en la Isla no quiere siquiera que se mencione el término "Periodo Especial". Un eufemismo acuñado por el difunto Fidel Castro Ru...

Inversores cubanos sí, pero solo si vive

Indicado en la materia

Por MARIO J. PENTÓN.- La prensa oficial cubana aclaró este viernes que "no existe ningún impedimento" para que la diáspora invierta en la isla. Eso sí, bajo la Ley de Inversión Ex...

Por qué fracasan las conversaciones Madu

Indicado en la materia

  Por Jorge Hernández Fonseca.-  En la Venezuela de hoy, hay dos posibilidades: 1) Negociar con Cuba. EUA, el Grupo de Lima y Europa negociar con la Habana. 2) Organizar una fuerza ...

El fracaso de las conversaciones Maduro-

Indicado en la materia

Por Jorge Hernández Fonseca.-  En estos encuentros se garantizarían los objetivos de Guaidó, pero el chavismo quedaría intacto y los intereses cubanos podrían encaminarse adecuadamente, además de resolver sus graves problemas in...

La mano de Cuba en las conversaciones ve

Indicado en la materia

Por Jorge Hernández Fonseca.-  Desde las fallidas negociaciones de la oposición venezolana con altos mandos de la dictadura madurista, ya se vio más o menos claro que los planes de la Ha...